24 agosto 2016

ESPECIALISTAS DISCUTEM POSSIBILIDADE DE EPIDEMIA DE CHIKUNGUNYA EM 2017

“O Brasil está prestes a viver uma grande epidemia de chikungunya no verão de 2017”, afirmou o subsecretario de Vigilância em Saúde do Rio de Janeiro, Alexandre Chieppe, durante o seminário Chikungunya: atualização clínica, realizado em 16 de agosto pela Vice-Presidência de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde (VPAAPS/Fiocruz) no  Instituto Nacional de Infectologia (INI/Fiocruz). O evento contou com a presença de especialistas e pesquisadores para tratar dos mais diferentes aspectos da doença que, assim como a dengue e a zika, é transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. Representaram o Instituto na programação Marilia Santini, Vice-diretora de Qualidade e Informação do INI, e os pesquisadores André Siqueira e Roberto Fiszman.

A chikungunya ainda não tem cura e é conhecida por causar febre e dores intensas nas articulações de pés e mãos, dedos, tornozelos e pulsos, podendo ocorrer, também, dores de cabeça e musculares, manchas vermelhas na pele, entre outros sintomas. “Em busca de ampliar o conhecimento acerca da tríplice epidemia (dengue, zika e chikungunya), a Fundação Oswaldo Cruz vem realizando, continuamente, uma série de eventos sobre essas doenças, envolvendo todo seu corpo de pesquisadores, docentes e alunos. Nossa intenção é potencializar o SUS como uma grande plataforma de pesquisa, de base de dados e informações para alcançarmos evidências científicas de um campo pouco conhecido por todos”, destacou o Vice-Presidência de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde da Fiocruz, Valcler Rangel.

PAÍSES DA AMÉRICA LATINA CELEBRAM PELA PRIMEIRA VEZ A SEMANA DE AÇÃO CONTRA OS MOSQUITOS

Impulsionada pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), a Semana de Ação contra os Mosquitos tem o objetivo de sensibilizar a população e promover ações para combater o Aedes aegypti, além de prevenir as doenças que o inseto transmite, como dengue, chikungunya e zika. O eixo da campanha, que é realizada pela primeira vez na América Latina, está voltado para a eliminação dos criadouros de mosquito e nas medidas de proteção pessoal contra essa enfermidade, especialmente para as mulheres grávidas. 
 
A Semana de Ação contra os Mosquitos foi realizada em maio passado nos países do Caribe. Agora, países da América Central, como El Salvador e Panamá, começaram a celebrá-la e outros países da América Latina devem participar até outubro. Durante sete dias, serão realizados eventos públicos liderados pelas autoridades de Saúde e outros setores de governo, além de oficinas para promotores de saúde voluntários, feiras comunitárias, atividades com organizações civis e estudantes, entre outros.

22 junho 2016

SURTO DE CAXUMBA É O MAIOR DESDE 2008


Os dados não são daqui do Rio de Janeiro, mas o número de casos de caxumba registrados neste ano no Estado de São Paulo já é o maior desde 2008, segundo balanço do Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE) da Secretaria Estadual da Saúde.

Até o dia 16 de junho, quando foi divulgado o último levantamento, foram contabilizados 842 casos. Entre 2009 e 2015, o número variou, no ano inteiro, entre 118 (2014) e 671 (em 2015). Em todo 2008, foram 3.394 registros.
A imunização incompleta de parte da população, que não tomou as duas doses da vacina, e o fato de o vírus estar mais atuante estão entre as razões apresentadas por infectologistas para o aumento dos surtos.

OMS PUBLICA RECOMENDAÇÕES DE SAÚDE PARA QUEM VEM PARA OLIMPÍADA


 A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou, na terça-feira (21/06), recomendações para viajantes que pretendem visitar o Brasil durante a Olimpíada. O órgão mantém a recomendação de que mulheres grávidas não venham para o país por causa do risco de infecção pelo vírus da zika, relacionado à microcefalia. Mas observa que o risco de doenças transmitidas por mosquitos será menor durante o evento por causa do inverno. Ainda assim, a orientação é que viajantes usem repelentes, escolham roupas que cubram a maior parte do corpo durante o dia e evitem áreas da cidade com falhas de saneamento básico, onde há mais risco de proliferação dos mosquitos transmissores de zika, dengue e chikungunya. Na semana passada, a OMS declarou que o risco de propagação do vírus da zika devido à Olimpíada no Rio era "muito baixo".

EXAMES PARA CONFIRMAR ZIKA DEVERÃO SER REALIZADOS POR PLANOS DE SAÚDE


Os planos de saúde deverão oferecer aos seus clientes a cobertura de testes para a detecção do vírus zika. A determinação da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) foi publicada no Diário Oficial da União. Segundo a agência, os exames deverão ser garantidos para gestantes, bebês filhos de mães com diagnóstico para infecção pelo vírus e recém-nascidos com malformação congênita sugestiva de infecção pelo vírus da zika.

Passam a integrar o rol de procedimentos e eventos em saúde os testes PCR (Polymerase Chain Reaction), IgM e IgG. O PCR detecta o vírus logo nos primeiros dias da doença e tem recomendação para gestantes com sintomas de zika, mas no máximo cinco dias após o surgimento dos primeiros sinais da doença.

17 maio 2016

PROGRAMA SERVIDOR RIO 2016

Servidor Rio 2016 é um programa criado pela Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Administração, em parceria com o Comitê Rio 2016, que tem como objetivo estimular a participação de servidores municipais em atividade que, com sua experiência, poderão contribuir para o sucesso da organização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016.
Poderão se candidatar a uma das vagas do programa, no período de 17 de maio de 2016 a 23 de maio de 2016, os servidores municipais da administração direta e indireta, com ensino médio completo. Fica vedada a participação de servidores que exercem  cargos de direção e chefia ou atividades que não podem ser interrompidas ou paralisadas.
Em reconhecimento a esta contribuição, a Prefeitura irá presentear os servidores que participarem do programa com um par de ingressos para uma das competições dos Jogos Rio 2016. Além disso, o servidor que cumprir integralmente o programa, inclusive no que se refere à frequência e à jornada, poderá gozar de um período de dispensa equivalente a um terço dos dias em que tiver efetivamente participado, sem prejuízo da sua remuneração, bem como de seus benefícios, direitos e vantagens.
Entre no site e saiba mais 

05 maio 2016

MINISTÉRIO DA SAÚDE CONFIRMA 1.271 CASOS DE MICROCEFALIA NO PAÍS

O novo boletim epidemiológico do Ministério da Saúde divulgado, nesta quarta-feira (4), aponta que, até o dia 30 abril, foram confirmados 1.271 casos de microcefalia e outras alterações do sistema nervoso, sugestivos de infecção congênita,em todo o país. No total, foram notificados 7.343 casos suspeitos desde o início das investigações, em outubro de 2015, sendo que 2.492 foram descartados. Outros 3.580 estão em fase de investigação. O informe reúne semanalmente as informações encaminhadas pelas secretarias estaduais de saúde.

Dos casos confirmados, 203 tiveram confirmação laboratorial para o vírus Zika.  No entanto, o Ministério da Saúde ressalta que esse dado não representa, adequadamente, a totalidade do número de casos relacionados ao vírus. Ou seja, a pasta considera que houve infecção pelo Zika na maior parte das mães que tiveram bebês com diagnóstico final de microcefalia.

Em todo o Brasil, os 1.271 casos confirmados ocorreram em 470 municípios, localizados em 25 unidades da federação. A microcefalia foi confirmada nos estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Rio Grande do Sul, além de São Paulo que registrou oito casos da doença ao Ministério da Saúde, sendo um com confirmação laboratorial para Zika.

15 março 2016

LIRAA APONTA BAIXO RISCO DE INFESTAÇÃO DO AEDES AEGYPTI NA CIDADE

Realizado no período de 18 a 24 de fevereiro, o Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa) apresentou o menor índice de infestação predial (IIP) da história da cidade para o período do verão: 0,9%. O resultado coloca o município na faixa verde, que representa baixo risco para ocorrência da doença. O índice é considerado satisfatório quando está abaixo de 1% de larvas do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya.
 
O baixo índice de infestação pelo Aedes aegypti pode ser atribuído ao constante trabalho de prevenção e conscientização que vem sendo feito pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e também à colaboraçãoda população. As ações de combate aos criadouros do mosquito são realizadas o ano inteiro, mesmo nos meses de baixa incidência da doença, e reforçados nos meses mais quentes. Em novembro passado, a Prefeitura lançou o Plano Verão, com uma série de ações a serem desenvolvidas na cidade nesta época, para minimizar possíveis problemas causados em decorrência do fenômeno climático El Niño. Entre elas estava o reforço nas ações de combate ao Aedes aegypti, por se esperar meses mais quentes e chuvosos, favoráveis à reprodução do mosquito.

12 janeiro 2016

MUTIRÃO DE MOBILIZAÇÃO CONTRA O MOSQUITO TRANSMISSOR DA DENGUE, ZIKA E CHIKUNGUNYA

Ontem nossa equipe deu inicio ao mutirão de mobilização contra o mosquito transmissor da Dengue, Zika e Chikungunya. Parque Evereste, localizado em Inhaúma, foi o primeiro local este ano a receber tal atividade em nossa área de atuação. Na localidade, 40 agentes de vigilância em saúde realizarão visita a 4 mil imóveis até o dia 15/01. Colocação de capas de caixas d’água e telas em ralos que necessitem forma e serão realizados no decorrer da semana. Haverá também stand com banner e folhetos educativos sobre as doenças provocadas pelo mosquito e formas de prevenção.